Espólios
LOURENÇO, Eduardo, 1923-
BNP Esp. E71

Ensaísta, crítico, professor, Eduardo Lourenço de Faria, nasceu em S. Pedro de Rio Seco, Almeida, e formou-se em Ciências Históricas e Filosóficas (1946) na Universidade de Coimbra. Integrou o corpo docente da mesma no ano seguinte, iniciando um percurso académico que o levou às universidades de Bordéus (1949), Hamburgo (1953), Heidelberg (1954), Montpellier (1956-58), Baía (1959), Grenoble (1960-61; 1964-65) e Nice (1965-1988) onde, após 1968, lecionou a cadeira de História das Ideias. Enquanto ensaísta, questiona o imaginário cultural português, a identidade portuguesa e a sua projeção além-fronteiras, o fenómeno literário, as artes e as ideias. Com Heterodoxia I (1949) e II (1960) afirmou-se como um dos espíritos críticos da sua geração, marcada pela II Guerra Mundial e pela ditadura. As suas reflexões abarcam autores como o Pe. António Vieira, Camões, Herculano, Garrett, Antero de Quental, Oliveira Martins, Teixeira de Pascoais, António Sérgio e Fernando Pessoa, mas também escritores seus contemporâneos. Da sua bibliografia destaquem-se O Canto do Signo: Existência e Literatura (1953), Pessoa Revisitado (1973), Fernando Pessoa Rei da Nossa Baviera (1986), Tempo de Poesia (1974), Os Militares e o Poder (1975), Poesia e Metafísica (1983), Nós e a Europa ou as Duas Razões (1990), O Labirinto da Saudade (1994), O Esplendor do Caos (1998) ou Portugal como Destino (1999). É diretor das revistas «Finisterra» (1988-) e «Estudos Anterianos» (1998-2005). Foi Conselheiro Cultural na Embaixada de Portugal em Roma (1989-1991). Recebeu, entre outros prémios nacionais e estrangeiros, o Prémio Camões (1996) e o Prémio Pessoa (2011). Foi agraciado com a Ordem Nacional de Legião de Honra de França (2002), como Grande Oficial (1981) e com a Grã Cruz (2003) da Ordem de Santiago da Espada, com a Grã Cruz do Infante D. Henrique (1992) e com a Grã Cruz da Liberdade (2014).

Adquirido em 2014. Tem reserva de consulta.

© 2004 Biblioteca Nacional de Portugal. Actualizado a 2020/07/07