Espólios
NAMORA, Fernando, 1919-1989
BNP Esp. E63

Escritor, médico e pintor, Fernando Gonçalves Namora nasceu em Condeixa-a-Nova e licenciou-se em Medicina (1942), na Universidade de Coimbra, atividade que exerceu entre 1950 e 1965, primeiro no mundo rural, depois no Instituto Português de Oncologia, em Lisboa. Deu à estampa romances, contos, novelas, crónica e poesia. Enquanto ficcionista viu várias das suas obras em sucessivas edições, algumas das quais refundiu e ampliou e viu adaptadas ao cinema e à televisão. O seu primeiro romance As Sete Partidas do Mundo (1938) foi galardoado com o Prémio Almeida Garrett, Domingo à Tarde (1960) recebeu o Prémio José Lins do Rego e foi adaptado ao cinema, Rio Triste (1982) foi prémio Fialho de Almeida e Resposta a Matilde: divertimento, adaptado para televisão em 1986. Escreveu também poesia, a partir de 1937, reunida na coletânea As Frias Madrugadas (1959). Membro de várias instituições culturais e científicas, como a Academia de Ciências de Lisboa, a Academia Brasileira de Letras ou a Academia Europeia das Ciências, Artes e Letras. Enquanto artista plástico expôs individualmente em 1944, em Castelo Branco, mas já em 1939 havia recebido o prémio Mestre António Augusto Gonçalves. Participou numa exposição de artistas plásticos médicos (Paris, 1949) e obteve o 2º Prémio de Pintura na Exposição Coletiva de Artistas Médicos (1964). Foi agraciado com a Grã-cruz da Ordem do Infante D. Henrique (1988) e, a título póstumo, com a Grã-cruz da Ordem da Liberdade (2019).

O espólio (77 cx.) integra correspondência recebida, rascunhos de cartas enviadas, manuscritos de textos da sua vasta colaboração dispersa em publicações periódicas, textos de conferências, documentos biográficos e projetos e/ou versões de ficção não concluída.

Doado pelas filhas do escritor, Dr.ªs Margarida Namora Freitas da Costa e Arminda Namora Quintino de Barros, em Junho de 2010.

Instrumento(s) de Pesquisa:
Guia preliminar
© 2004 Biblioteca Nacional de Portugal. Actualizado a 2020-07-14