Coleções
O'NEILL, Alexandre, 1924-1986
BNP Esp. N111

Poeta, cronista, tradutor, Alexandre Manuel Vahia de Castro O'Neill de Bulhões, natural de Lisboa, teve destacada atividade na publicidade, a partir dos anos 60, colaborou em guiões para filmes, em peças de teatro e em programas de televisão. Para a Telecine, onde foi diretor criativo, produziu o slogan «Há mar e Mar Há ir e Voltar» que veio a integrar o Dicionário de Provérbios. Trabalhou na Caixa de Previdência dos Profissionais de Comércio (1946-52), na Companhia de Seguros Metrópole (1953-54), na Sandoz (54-58, 60), nas bibliotecas itinerantes da Fundação Calouste Gulbenkian (1959) e foi consultor literário na Guimarães Editores (1959) e na Ulisseia. Integrou a redação da revista «Almanaque» (1959-61), foi orientador literário da «Ele» (1972-73) - onde assinou com os pseudónimos Rolando Seixas, Max Rog e Enrique Lanza, os dois últimos em colaboração com Rui Lemos - diretor adjunto da «Critério» (1975) e membro do conselho de redação da «Silex» (1980). Deu colaboração ao «Diário de Lisboa», a «A Capital», ao «Diário Popular», onde fez crítica de televisão sob o pseudónimo A. Jazente, ao «JL» e a outros títulos, como «O Comércio do Porto», «Litoral» (1944-45), «Mundo Literário» (1946-48), «Unicórnio» (1951), «Pentacórnio» (1956), «A Luta» (1976) ou o «Jornal dos Poetas e Trovadores» (1983). Foi um dos fundadores do Grupo Surrealista de Lisboa (1947), com António Pedro, Fernando de Azevedo, António Domingues, Vespeira, José-Augusto França e Mário Cesariny, no âmbito do qual publica A Ampola Miraculosa (1949). Da obra poética destaquem-se também Tempo de Fantasmas (1951), No Reino da Dinamarca (1958), Poemas Com Endereço (1962), De Ombro a Ombreira (1969). O Saca de Orelhas (1979), As Horas Já de Números Vestidas (1981). Às suas Poesias Completas:1951-1981 foi atribuído o Prémio da Crítica do Centro Português da Associação Internacional de Críticos Literários (1983). Foi agraciado postumamente com a Ordem Militar de Santiago da Espada (1990).

Doação do filho, Dr. Afonso O'Neill, em 2019. Ainda não acessível.


© 2004 Biblioteca Nacional de Portugal. Actualizado a 2020/07/07